Salomon Hungary Ultra Run ….. 112km Transformando quilômetros em água pra quem tem sede!

Dez meses depois da última prova, lá fui eu encarar os 112k da Salomon Ultra Trail, nas montanhas ao redor de Budapeste. Decidi fazer essa corrida meio que por acaso, já que minha intenção primeira era uma prova no Oregon (EUA) – cheguei até a fazer inscrição, mas com o mau tempo previsto por lá, o evento foi adiado e se tornou impossível na minha agenda. Procurando então um desafio que se encaixasse no período das minhas férias, me deparei com a Hungria.

Foram meses de suor, com treinos de força, de alongamento e jornadas solitárias ao longo das madrugadas. Testei novos alimentos e novos equipamentos também. Com a preparação e a periodização feitas, parti rumo à Hungria, mirando a pequena Szentendre, conhecida como a Cidade dos Artistas. Posso acrescentar, agora, mais algumas definições – como a Cidade dos Pássaros, pois há muitos e cantam o dia inteiro, ou Cidade das Igrejas, já que existe uma a cada esquina, a despeito de o regime comunista ter combatido fortemente a religião (o país é um dos que possui o maior número de templos, mas também o maior número de ateus, proporcionalmente).

Cidade de Szentendre

Cidade de Szentendre

A Salomon, patrocinadora master dos 112k, era também responsável pelas provas de 54k e 29,5k, além de uma corrida para as crianças. Devido à proximidade de Budapeste, a imensa maioria dos mais de 3 mil atletas, vindos de várias partes do mundo, chegou em Szentendre quase em cima da hora. Era o meu caso, e mesmo assim consegui reservar tempo para circular pela cidade, sentir os ares e captar a essência daquele lugar. Ao passar pela igreja de São Pedro e São Paulo, entrei e fiz minhas orações. Mas algo estranho aconteceu… acendi uma vela branca e a cera derretida ficava vermelha, o que por um momento me remetia a sofrimento e dor. Fiquei ali, intrigado. Pode isso na casa de Deus?! Até que uma senhora veio acender sua vela, que era branca também, e de maneira disfarçada me pus a espiar. Ela acendeu, passou um pouco e vi que a cera derretida também era vermelha. Tudo bem, acontecia com todo mundo, não era um mau presságio. Mas essa senhora, eu ainda me ouvia dizendo, estará dormindo quentinha amanhã à noite, não se mandando numa corrida de 112 quilômetros nas montanhas…
No dia da largada (ou melhor, noite)
A sensação, velha conhecida, era de que as horas não passavam. Meus planos de dormir algumas horas no período da tarde foram por água abaixo: para meu desespero, tudo que consegui foi ficar fritando na cama. Resignado, pulei e parti na hora certa pra retirar o kit na escola da cidade. Lá encontrei um casal super simpático, responsável por um site polonês chamado Run and Travel, e batemos um longo papo sobre a prova. Peguei meu número de peito, 223, e minha pulseira – e nesse momento, em que fixam a pulseira no seu braço, bate aquela sensação de que, a partir dali, não tem mais volta, você está dentro da prova. Só faltava deixar com a organização uma segunda mochila, contendo os itens que seriam necessários a partir do km 55. Comemos uma pizza e voltamos ao hotel checar tudo e fazer os últimos preparativos.

Eu não estava sozinho. A Nana, ao meu lado, como uma verdadeira running crew, seguia me ajudando para que não me esquecesse de algum item. Parece bobagem, mas um detalhe nos equipamentos ou nas provisões pode virar um problemão durante a corrida. Vesti as roupas com as quais já estava acostumado, calcei o tênis já amaciado por muitos treinos, então me aqueci, dando atenção para os músculos que gostam de conversar comigo quando ainda estão frios. Finalmente, fomos caminhando pelas ruas de paralelepípedos até a largada.

Não demorou muito para que encontrássemos inúmeros atletas caminhando na mesma direção – homens, mulheres, gente de todos os perfis. Ao avistar o pórtico de largada, bateu aquele frio na barriga. Mostrei os itens obrigatórios para o staff da prova e entrei no espaço dos atletas. Estava quente e isso me preocupava bastante. Sofro demais com o calor. Faltando dois minutos para a largada, dei um beijo na Nana, lembro de ter pedido que não esquecesse de me dar a bandeira quando eu chegasse.

IMG_3904

Doce, salgado e chip
Me alinhei logo atrás do primeiro pelotão quando o relógio marcava 11:59:30. Quando deu meia-noite em ponto, a buzina tocou! Dada a largada, excitado com aquela energia, saí pisando no acelerador. Eu me sentia forte, e tentava controlar meus batimentos a fim de não perder controle sobre minha respiração. Os primeiros 6 km foram ainda dentro da cidade, rumo à primeira floresta. Eu estava em um ritmo que, cá entre nós, não fazia parte da minha realidade em uma prova dessa distância. Imaginava manter o pique até pelo menos a primeira trilha na mata. Passei o primeiro PC em 12º lugar, o que não significava nada, a não ser para meu ego, um tanto preocupado em figurar entre os cinco melhores na categoria. Meses atrás, quando estudava essa prova, minha ideia era finalizá-la entre os 30, algo modesto. Mas, como as coisas foram se encaixando durante os treinos, esse bendito ego ficou caçando assunto, dizendo: Você consegue mais, você pode mais! Claro, ele nunca mede as consequências do que tais arroubos de entusiasmo podem me trazer.

E lá estava eu varando a madrugada e tentando encontrar meu equilíbrio. Coloquei na minha mente que era de extrema importância passar bem pela barreira do primeiro posto de controle, no km 20. Não demorou muito, lá pelo km 12, a primeira mulher me passou. Lembro das suas pernas desenhadas por muitos treinos de montanha, mochila leve, sem bastões. Sem dúvida, ali estava uma ultraexperiente e com fome de vencer. Continuei sendo ultrapassado por outros atletas e, na minha conversa comigo mesmo, dizia: Eis a primeira lição. Aliás, reaprendi, voltei à matéria, pois era algo que já sabia. Eu devia ter largado lá no fundão, no meu ritmo, e com certeza as coisas se encaixariam melhor.

Cheguei ao km 20 e encontrei uma equipe de voluntários extremamente atenciosos, competentes e bem treinados. Funcionava assim: eles avistavam a chegada de um atleta, tocavam vários sinos (muito comum em provas na Europa), davam gritos de incentivo, enquanto uma voluntária fazia a leitura do seu chip com um equipamento super moderno, daí você poderia escolher o que queria – doces, salgados, frutas, e beber água, coca, isotônico. Tempo de parada: 2 minutos e 33 segundos.

Problemas à vista…

A minha lanterna não colaborava, estava iluminando muito pouco. E foi um descuido meu, pois esses modelos mais atuais são configurados via computador, e a minha estava ajustada para o modo econômico. O resultado foi que no km 24, durante uma descida bem técnica, levei um tombo gigantesco bem num campo cheio de espinhos. Foi um tremendo susto, fiquei com um lado do corpo ensanguentado e coçando absurdamente. Sei bem que em provas de ultradistância enfrentamos inúmeros problemas, e ali mais um se apresentava… O sono começou a bater forte, a ponto de eu pensar em parar por uns 15 minutos e tirar um cochilo. Sim, isso mesmo, um cochilo! Mas fiquei com medo de parar e continuei brigando com o cansaço extremo, a lanterna fraca, a dor e a coceira causada pelos espinhos.

A noite estava linda a luz da lua estava encantadora!

A noite estava linda a luz da lua estava encantadora!

Torcia para que a luz do dia aparecesse logo. Olhava para o relógio, que dava 3h:50am. Deus, ainda faltava uma hora para o sol aparecer! Cheguei no km 35 às 4h:28 da matina. Não demorou muito e as luzes das lanternas foram desaparecendo, sinal de que não eram mais necessárias, o que me deu um certo alívio. Naquela altura, eu já estava repetindo a mim mesmo: “Paz no caos, paz no caos…”, como se, com esse mantra, pudesse reencontrar o equilíbrio.

Paz no Caos!

Paz no Caos!

 

O sol vermelho surgiu lindo no alto da montanha. Naquele momento até pensei em tirar uma foto, mas não estava na vibe. Pensei, Guarde essa imagem na memória e a compartilhe da forma que você sentir. Ja fazia um bom tempo que eu e mais dois atletas seguíamos num bom ritmo dentro da floresta, formada por árvores imensas. O respeito ao ritmo era gigante, ninguém ousava atacar o outro. No final dessa descida, demos de cara com uma pista de asfalto e um voluntário indicando o caminho para mais um PC. Pude ver que alguns atletas que haviam me passado estavam um pouco à frente – nos cumprimentamos, com respeito. Já nas raias do PC, o mesmo procedimento: sinos tocando, gritos de incentivo, leitura de chip… Tomei água, coca, comi banana, bolacha água e sal e cafezinho. Tempo de parada: pouco mais de 2 minutos.

A corrida pelo Vale dos Pinos foi um dos grandes momentos da prova. Imagine percorrer lindas trilhas cercadas por árvores fenomenais e ao som de centenas e centenas de pássaros. Foi um momento de contemplação que me estimulou a alcançar a metade da prova bem mais rápido do que imaginava. Ali era uma parada estratégica, dizia eu a mim mesmo: Cição, paz no caos… ajusta tua comida, a bebida e os equipamentos com calma. Comecei de baixo pra cima: troquei camiseta, buff, escovei os meus dentes (sim, sempre que posso faço isso, me sinto renovado), arrumei cuidadosamente minha mochila e, por fim, perguntei pra voluntária se podia deixar minha lanterna junto com os demais itens que não usaria mais. Eu já esperava a resposta: NO! Agradeci e segui em frente.

marcações!

marcações!

O estradão aberto surgiu quando o sol estava a pino. No km 72, perto da cidade de Visegrád, eu caminhei bastante. Sim, caminhar faz parte de uma ultramaratona. Lembrei de treinos no Japi e em Itatiaia, e sabia que não seria fácil. Ao chegar na cidadezinha, encontrei um equipamento que bombeia água do subsolo, algo comum naquela região. Havia observado um corredor bombeando água pra se refrescar, não tive dúvida e fiz o mesmo, meio que tomando um banho no meio da rua.
As bolhas nos pés acabaram surgindo – e fazia alguns anos que não davam as caras. Nas duas últimas montanhas, com uma inclinação de mais de 30 graus, eu na subida era de novo aquele carro 1.0 com o freio de mão puxado, enquanto na descida a sensação era de ter as pernas passando por um moedor de carne.

Nos 6 km finais, quase sucumbi. Minhas vozes internas quase não estavam dando força suficiente para eu continuar, exceto aquela da campanha na qual eu estava envolvido: entregar 100 litros de água potável no Nordeste a cada quilômetro percorrido. Gritava pra mim mesmo: Vamos, porra, está acabando, Cição! De alguma maneira, a prova parecia querer que eu sentisse a sede e a dor dos nordestinos que não têm água pra beber. Àquela altura, o calor era de 36 graus… Bolhas nos pés, cansaço, desgaste emocional e psicológico… Mas nada me deteria, eu só pensava na chegada.

sobre ter você comigo!

sobre ter você comigo!

A chegada em Szentendre
Faltando 2 km, quando eu praticamente só caminhava, passou por mim uma mulher de cabelo curto gritando: “COME ON!” Era a motivação que eu precisava pra terminar dando um último gás, pois sabia que a bandeira do Brasil estava lá me esperando. Peguei a última rua no centro, segui em direção ao pórtico de chegada já ouvindo os aplausos da multidão que acompanhava a prova. De longe avistei a Nana e nossa bandeira, que tomei nas mãos e, como sempre faço, a coloquei sobre a cabeça, parando exatamente debaixo do pórtico e, antes de dar meu salto em homenagem ao voleibol (meu primeiro esporte), respirei fundo e disse a mim mesmo: “Eu não disse que você conseguiria, porra?! Dei um grito de alegria, ganhei um abraço e um beijo de alívio da minha esposa e logo estava com a linda camiseta de finisher nas mãos. É, pessoal, mesmo experiente em provas assim, incrível como aprendi e reaprendi ao longo desses 112km.

IMG_3849

Distância: 112k
D+: 4.496m
D-: 4.491m
Total de desnível acumulado: 8.987metros

Meu tempo: 16:46:51

Minha colocação: 30º no geral, 16º na categiria

Tempo de Pálfy Márton, 1º colocado: 12:11:00

 

 

Esta entrada foi publicada em #eucorroktr, #hungria, #jvmtrail, #mountains, #nevergiveup, #paunocat, #trailrunnersbrasil, #ultrafiord, Agulhas Negras, Alimentação, salomon e marcada com a tag , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

5 respostas a Salomon Hungary Ultra Run ….. 112km Transformando quilômetros em água pra quem tem sede!

  1. RODRIGO disse:

    Parabens master guerreiro! Bela prova

  2. Sandro disse:

    Parabéns Mano!!!! Showwwww de bola, a vida é um eterno aprendizado e temos sempre que estar aberto para isso. Vc é nosso guerreiro, Ídolo e um cara inspirador, continue assim. Abraços #tmj

  3. EDSON FERNANDES disse:

    Mano, todos esses exemplos, não só de amor ao próximo como também de fidelidade e compromisso aos seus princípios são um verdadeiro incentivo a todos que o acompanham! Tenha sempre em mente que o mais importante é estar bem consigo mesmo e que seus amigos o admiram muito! Parabéns! #paunocatbaralho

  4. Tamiris Guelfi disse:

    Sem dúvida vc é um exemplo! Sempre foi aliás. Estou novata ainda como corredora (de rua) mas você me inspira a ir além.

    Obrigada por esse relato de superação!

    Parabéns por mais essa conquista

  5. Graaannndddeee Cicero! You are amazing and an are an inspiration to me. When I am dying during my 30km training runs,,, I think that at the 30km mark, you are just getting started! I will check out your playlist… sooo cool! If you have apple music,, I can send you my running playlist as well. Running Ron

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>