Conociendo a La Pacha Mama (Conhecendo a Mãe Terra) – 10a. Edição Sky Running Ultra Trail Non Stop / Norte da Argentina – 140k

Falta pouco pra largada. Estamos em uma ultramaratona em honra à Majestosa Pacha Mama, que nos leva a conhecer a Quebrada de Humahuaca, a cultura e os sabores de um povo que vive cercado por montanhas coloridas…

Igreja Matriz de Tilcara

Igreja Matriz de Tilcara

Situada no norte da Argentina quase na fronteira com a Bolívia, Patrimônio da Humanidade na categoria Paisagem Natural, foi essa a região que escolhi pra realizar o segundo desafio do ano.

Procissões, ritos e costumes… O quadrante atrai muitos turistas pela beleza das suas montanhas e também pela culinária. Humahuaca, ao lado de Tilcara e Maiamará, mantém antigas celebrações de fé e de culto aos ancestrais – a se destacar a procissão da Semana Santa em Tilcara, que põe mais de 50 mil peregrinos seguindo entre a cidade (2.450m de altitude) e a Igreja Al Abra de Punta Corral (3.800m).

Pacha Mama – A força das lembranças
Sei do medo de esquecer os detalhes desta história, do que significa esse rompimento de barreira – não apenas pela distância, nem porque se trata de uma prova de auto-suficiência.

É possível compartilhar algo depois de mais de um dia correndo? O que sentimos? O que vivemos?

Às vezes, ficamos na dúvida se o ato de compartilhar fará com que as pessoas consigam sentir o que sentimos. O vento na cara, o sol de rachar, o chão seco e o ar rarefeito que insiste em não preencher nossos pulmões. Podemos tirar fotos, fazer um ou outro vídeo, mas nada será igual à emoção que se vive ali.
Não será possível fazer com que os olhos dos outros chorem como os nossos chorarão, nem que o coração de cada um bata como os nossos baterão. Talvez isso seja demasiado forte pra nós, talvez a gente queira apenas de um olhar de aprovação diante de algo que estamos prestes a fazer.

Precisamos que as pessoas que nos amam aprovem nossos feitos, dos quais elas inclusive fazem parte, direta ou indiretamente. O compartilhar, portanto, carrega a esperança de se sentir acolhido por essas pessoas, pois são elas que nos dão força pra acordar no dia seguinte e continuar.

Também acontece de a memória ser traiçoeira fazer a gente se sentir bem, esquecer as dores e os percalços da trilha, lembrar só das partes eufóricas. Assim como deixamos pra lá os treinos péssimos, quando o que mais queríamos era voltar pra cama e descansar o resto do dia, e que lembramos fácil daqueles dias em que tudo se encaixou perfeitamente.

E temos sempre a sensação de que estamos piores do que no ano anterior, que não será possível alcançarmos as metas colocadas. A questão é que vamos ficando ansiosos só de pensar nisso.

capilla

Capilla del Abra de Punta Corral

A montanha dá todo o tempo necessário pra que a gente esteja só com a gente mesmo. Isso é bom. Ao mesmo tempo, ela nos inunda de emoções que pedem pra ser compartilhadas – afinal de contas, nunca estamos realmente sozinhos no caminho.

A hora da largada se aproxima. Tenho desenhado em minha mente boa parte do percurso: postos com água, postos de controle virtuais, altitudes mapeadas…


(Continua…)….texto feito a 4 mãos, dois corações e muito por mim e pelo Marcelo Sinoca…

Esta entrada foi publicada em #hungria, #mountains, #nevergiveup, #paunocat, #trailrunnersbrasil, #ultrafiord, Agulhas Negras. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>